Referências em organizações

A Associação Brasileira de Esperantistas Espíritas
(BAES)

Eventos realizados

Brazila Renkontiĝo de Esperantistoj-Spiritistoj


Encontro Brasileiro de Esperantistas Espíritas

O evento atualmente é organizado pela Associação Brasileira de Esperantistas Espíritas, fundada em 7 de setembro de 2008.

10ª BRES (2019)
Goiânia GO

9ª BRES (2016)
Manaus AM

8ª BRES (2015)
Rio de Janeiro RJ

7ª BRES (2014)
Florianópolis SC

6ª BRES (2012)
Taguatinga DF

5ª BRES (2011)
Brasília DF

4ª BRES (2009)
Juiz de Fora MG

3ª BRES (2008)
Brasília DF

2ª BRES (2007)
Uberlândia MG

1ª BRES (2006)
Ribeirão Preto SP

Referência histórica

Transcrito de O BOLETIM 587
em www.bezerramenezes.org.br
Colaboração de Maria Ramos Williams

NO MUNDO DO ESPERANTO

“La paco de Jesuo estu en la koroj de niaj karaj gefratoj”

I ENCONTRO BRASILEIRO DE ESPERANTISTAS ESPÍRITAS

A Espiritualidade Superior freqüentemente nos adverte, através da mediunidade, sobre a necessidade do ensino da Língua Internacional, pois há ideais que são comuns tanto à Doutrina Espírita quanto ao Esperanto.

O Esperanto não é somente mais uma língua, mas possui uma idéia interna que está além da gramática, da pronúncia e do vocabulário e coloca em destaque a necessidade de paz, amor, solidariedade, fraternidade entre todos os povos, como também o faz a Doutrina Espírita e, de um modo geral, todas as outras religiões.

Entretanto, o Esperanto é uma língua neutra, não está ligado particularmente a nenhuma religião, há esperantistas no seio de todas as religiões e até entre os que não têm religião. Mas a divulgação do Esperanto está muito difundida nos meios espíritas, por isso há um grande número de espíritas que são também esperantistas e é freqüente a realização de encontros de espíritas esperantistas.

Em São Paulo ocorrerá um evento esperantista espírita que terá uma amplitude maior. Será em nível nacional. De 13 a 15 de outubro estaremos reunidos no 1º ENCONTRO BRASILEIRO DE ESPERANTISTAS ESPÍRITAS, organizado pelo Centro Espírita Batuíra, com o apoio do Sanatório Espírita Vicente de Paulo.

O encontro tem por objetivo reunir pessoas cujo interesse comum seja o Espiritismo e o Esperanto, considerando que o número dessas pessoas é muito grande no Brasil, para tratar de assuntos como: divulgação do Esperanto, organização de cursos de Esperanto para crianças, jovens e adultos, fundação de grupos de estudo sobre Espiritismo em Esperanto, tradução de livros espíritas para o Esperanto, etc.

O tema do encontro será: “A CASA ESPÍRITA E O ESPERANTO”

— Porque o Esperanto em casas espíritas?

— Como o Esperanto em casas espíritas?

O local do evento será o Sanatório Espírita Vicente de Paulo, situado na rua Pará 1280 - Ipiranga, em Ribeirão Preto.

O conhecido eminente esperantista espírita José Passini, de Juiz de Fora, fará a palestra de abertura do encontro no dia 13 de outubro, 6ª feira, às 19:30.

Outras participações:

Izao Carneiro Soares, do Instituto de Homeopatia François Lamasson e Museu de Homeopatia Abrahão Brickmann de Ribeirão Preto, que falará sobre Homeopatia e Espiritismo.

Lucas Yassumura de Jundiaí será o apresentador e também falará sobre o seu trabalho na Rádio Boa Nova de Guarulhos, onde foi lançado um novo programa sobre o Esperanto.

Givanildo Ramos Costa falará sobre a Rádio Rio de Janeiro e o movimento esperantista espírita no Rio.

Paulo Sérgio Vianna dirigirá uma discussão sobre tradução de livros para o Esperanto e do Esperanto para o Português, onde se aguarda a presença de outros tradutores. Palestras sobre temas espíritas serão feitas por: Aylton Paiva , Floriano Pessoa, Neusa Priscotin (Mima), Ìsis Okabe Píton e outros.

Márcia de Castro Soares falará sobre seu livro lançado pela Sociedade Lorenz: “Mi Eksterkorpe” (Eu fora do corpo)

Haverá visitas ao Museu de Homeopatia e ao Parque Curupira, mostras de filmes, fotos e discos, apresentações artísticas, cursos, atividades para crianças adequadas às idades.

Informações:

http://www.bres.org.br / bresrp@yahoo.com.br/ sauen@netsite.com.br

Tel.: (16) 3021 7063 – Mima

O esperanto, como segunda língua das pessoas, torna justa a comunicação internacional e protege as culturas.

Neutralidade

Não pertence a nenhuma nação, mas à humanidade.

Justiça

Equipara os participantes em uma conversa internacional.

Facilidade

Menos difícil que uma língua estrangeira.

Proteção das culturas

Serve à diversidade linguística.

Cultura da paz

Promove a fraternidade humana.